Total de visualizações de página

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Crônicas de um viajante em Mendoza/Aconcagua

"O mundo é bao, Sebastiao!" É com essa frase retirada de uma música do grupo Titas que inicio o post de hoje. Se o bom de viajar é a descoberta, o melhor é encantar-se. E quando a gente se encanta, o mundo deixa de ser apenas "bao", como diz o trecho da música, e passa a ser objeto de admiraçao. Exercitar a admiraçao por um mundo que nao é apenas "bao", mas também absurdamente belo porque organizado e harmônico, torna-nos responsáveis por esse mundo. É essa reflexao que vem à tona quando visitamos a Cordilheira dos Andes. É sobre a cidade de Mendoza e a Cordilheira que falarei hoje. Mendoza é uma cidade pequena e com uma paisagem um tanto proviciana, embora a McDonald´s e o Carrefour já tenham aportado por aqui. Nao obstante, Mendoza conserva comportamentos, estrutura e hábitos tipicamente interioranos. As pessoas daqui nao exibem beleza nem sao tao bem vestidas como as de Rosario e Córdoba. Isso faz de Mendoza uma cidade familiar, e onde se pode caminhar mais à vontade. O que torna Mendoza uma cidade atraente é o turismo que se constitui de trilhas, lugares paradisíacos, Cordilheira dos Andes, Aconcagua, prática de rafting, riding etc. No mais, a cidade nao apresenta grandes atrativos. Numa tarde, você percorre algumas praças, como a Chile, a Italia, Independencia, San Martín e España. Como anoitece bastante tarde aqui, a partir das 21h (hora que o comércio começa a baixar as portas), você pode esticar e conhecer um dos maiores parques da América Latina, o San Martín. É um parque que ocupa uma área de 400 hectares e reúne cerca de 550 espécies vegetais. Além disso, um lago que é bastante usado para a prática de canoagem, salta aos olhos. Vale a pena reservar um bom tempo para explorar esse parque que é um dos grandes atrativos da cidade. Aqui também encontrei autores de prosa e poesia que contribuem para a literatura mendoncina e do país. Hoje acordei cedo, porque às 7h15 o transfer passava para começar a excursao pela Cordilheira dos Andes. Saímos do hostel acompanhados por uma guia muito divertida, simpática e sem papas na língua. Ao todo, éramos dez turistas prestes a descobrir as maravilhas dentro da Maravilha que é a Cordilheira dos Andes e o Parque Aconcagua. Nesse grupo, existiam franceses, holandeses, bolivianos, polacos, argentinos e um brasileiro, eu :). Deixamos Mendoza às 8h30 e, desde entao, os olhos dilatavam diante de tanta beleza natural. A Cordilheira está dividida em três partes (ainda lembro da nossa guia louca explicando isso e pedindo para que as peguntas fossem feitas apenas em espanhol): Pré-Cordilheira, Cordilheira Frontal e Cordilheira Principal. A Cordilheira dos Andes é uma vasta cadeia montanhosa que vai da montanha mais baixa a mais alta e sua classificaçao é dada de acordo com o tamanho das montanhas. Sendo assim, a Pré-Cordilheira refere-se àquelas montanhas baixas, a Cordilheira Frontal àquelas de tamanho mediano e a Cordilheira Principal àquelas que chegam a 6.962m, como é o caso do Aconcagua. Fizemos um longo percurso, intercalado por pequenas paradas para "sacar" (tirar) fotos. Ao longo do passeio, a guia (louca, louca, louca...) explicava sobre povos que habitam aquelas áreas que ficam ao pé da Cordilheira, o rio Mendoza que nasce do degelo da neve que cobre as montanhas, linhas de trem desativadas, "rutas" rodovias destruídas etc. Paramos, paramos, paramos e, extasiados diante de todo aquele espetáculo natural, "sacávamos" (totalmente em portunhol) muitas fotos. Enfim, chegamos ao Parque Aconcágua. A van fez o transporte até determinado trecho e depois ficou por nossa própria conta e risco. Tínhamos que fazer um longo trecho a pé, pisando sobre pau e pedra. De longe, avistamos o imponente e amedrontador Aconcagua: objeto de desejo de muitos montanhistas. Cercado de montanhas, vegetaçao rasteira, lagos de águas límpidas, clima seco e frio, montanhas vestidas de neve, parei e pensei: "O mundo é bao, Sebastiao." É isso.

2 comentários:

.marcotico disse...

Lu! Fiz esse mesmo passeio no inverno e não podiamos descer no parque porque a neve estava muito alta, acabamos por chegar ao aconcágua pelo outro lado mas subimos para as estações de esqui! que valem a pena conhecer também! Penintientes é a melhor! Mendoza é uma cidadezinha pequena mas esconde coisas deliciosas, passeei muito por todas as plazas e parques comi de um tudo por ai e estudei um bocado da história deles, que é bem interessante e decisiva para toda a Argentina. Só não pude fazer o passeio pelos vinhedos porque tinha programado minha volta para Buenos Aires dois dias depois da chegada.

Vivian Vieira Coelho disse...

Pode me indicar uma agência para nos levar a este passeio?